Ensino de Mandarim cresce em Portugal

O crescimento de um idioma com grande potencial económico é uma das razões que levam os alunos a incluírem a aprendizagem da língua chinesa nos seus currículos.

O ensino do Mandarim nas escolas públicas portuguesas está a crescer e hoje são cada vez mais os jovens que se interessam pela língua. Este é o sexto ano lectivo em que as escolas públicas possuem esta opção linguística e o número de alunos tem vindo a crescer ano a ano. 

As dificuldades dos alunos portugueses, o crescimento de um idioma com grande potencial económico são duas das razões que levam os alunos a se interessarem pela língua chinesa.  

O projecto-piloto do ensino do Mandarim nas escolas secundárias enquadra-se no “Protocolo de Cooperação para o Ensino do Mandarim”, celebrado entre o Ministério da Educação e o Instituto Confúcio da China.

Em entrevista à Rádio Renascença, o director da Escola Secundária Anselmo de Andrade, em Almada, Região de Lisboa e Vale do Tejo, Carlos Almeida afirma que a instituição já lecciona essa disciplina desde 2015, embora já existisse antes disso protocolos que levavam alunos portugueses a aprender Mandarim na China com o projecto europeu Erasmus+, e vice-versa. 

Carlos Almeida sublinha que a China, do ponto de vista económico, é uma potência. “Gostemos mais ou menos, é uma realidade. Abre um conjunto de portas, não só para o conhecimento da língua e da cultura chinesa − que é vasta e interessante”, define.

Agora que estão decorridos três meses de aulas garante que as mesmas são “muito divertidas”. Numa língua tonal, em que uma palavra dita com diferentes tons quer dizer coisas completamente diferentes, muitas das vezes geram-se situações hilariantes.

Apesar de a experiência do ensino do Mandarim ser positiva, a escolha da disciplina é ainda ultraminoritária naquela escola e também no país. 

Para mudar este panorama, o plano do director Carlos Almeida é atrair desde tenra idade os mais novos para o Mandarim.

Actualmente, existem em Portugal 493 alunos a aprender Mandarim, que se distribuem, segundo o Ministério da Educação por 238 alunos no 10.º ano, 244 no 11.º ano e onze no 12.º ano.

As 13 escolas em que se pode aprender Mandarim no ensino público são: Escola Secundária Oliveira Júnior (São João da Madeira); Escola Secundária Carlos Amarante (Braga); Escola Básica e Secundária Dra. Manuela Gomes Almeida (Espinho); Escola Secundária D. Duarte (Coimbra); Escola Secundária Eng.º Acácio Calazans Duarte (Marinha Grande); Escola Secundária de Estarreja (Estarreja); Escola Secundária Adolfo Portela (Águeda); Escola Secundária D. Pedro V (Lisboa); Escola Básica e Secundária Reynaldo dos Santos (Vila Franca de Xira); Escola Básica e Secundária Anselmo de Andrade (Almada); Escola Secundária Cacilhas Tejo (Cacilhas); Escola Secundária D. Sancho II (Elvas); Escola Secundária Dra. Laura Ayres (Quarteira).

 

Partilhar artigo

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Relacionados

Agenda

No event found!
Outros Artigos