“O Associativismo e a Sociedade Civil na Divulgação da China em Portugal”

Tese de mestrado aborda a importância da sociedade civil no intercâmbio cultural luso-chinês.

“O Associativismo e a Sociedade Civil na Divulgação da China em Portugal” é o título da tese de mestrado agora concluída, por Liliana Sousa, no departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território, da Universidade de Aveiro.

A cada ano que passa, aumenta o número de teses de mestrado e doutoramento feitas nas universidades portuguesas que contribuem para aumentar o conhecimento sobre a China, sob múltiplos ângulos.  O trabalho de Liliana Sousa ocupa-se deste crescente interesse geral dos portugueses e foca-se no trabalho de divulgação e comunicação desenvolvido neste sentido, pelas organizações do terceiro setor.

O trabalho realizou-se no âmbito do Mestrado em Estudos Chineses da Universidade de Aveiro, em parceria com o Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL), e incluiu um estágio curricular no Observatório da China – Associação para a Investigação Multidisciplinar de Estudos Chineses em Portugal, entre setembro de 2018 e maio de 2019. 

Foi  ao assistir a um painel de oradores durante o ciclo de conferências, “China e PALOPS: Relações Comerciais e Culturais”, organizado pela Universidade de Aveiro, em parceria com a Associação Jovens Empresários Portugal-China (AJEPC), que ouviu Rui Lourido, Presidente do Observatório da China e compreendeu a importância da participação ativa da sociedade civil organizada, para o intercâmbio cultural luso-chinês, explica Liliana Sousa, que acabou escolhendo e sendo acolhida por esta organização, para o seu primeiro contacto com o mundo laboral.

O Observatório da China tornou-se assim o estudo de caso que complementou a sua abordagem ao estudo mais geral do papel da sociedade civil, na divulgação da China em Portugal. 

Reconhecer os principais agentes da sociedade civil que fomentam iniciativas que promovem a aproximação entre Portugal e a China, continuando e aprofundando uma relação baseada numa história de quinhentos anos de interações bilaterais, foi o principal objectivo do trabalho que Liliana quer continuar, considerando o que está feito como apenas um início do muito que há por fazer.   

Portugal destaca-se pelo pioneirismo da transmissão dos primeiros conhecimentos e visões do mundo asiático na era do Descobrimentos  – o entreposto comercial em Macau, sob administração portuguesa, marca profundamente as relações entre Portugal e China- e agora como então, desenvolve um diálogo intercultural que beneficia o entendimento sobre este país no contexto social actual, alargado a toda sociedade portuguesa.

O interesse desta relação –diplomaticamente retomada  após a Revolução dos Cravos – é cada vez maior, frisa Liliana Sousa, lembrando que Portugal não só foi dos primeiros países europeus com que a China estabeleceu uma Parceria Global Estratégica (2005) como integra o projeto global de infraestruturas “Uma Faixa, Uma Rota” devido ao seu potencial marítimo.

O estudo reflete ainda sobre a ascensão da China na cena internacional, tecendo algumas considerações sobre a sua política interna e externa levadas a cabo pelos líderes políticos Mao Zedong, Deng Xiaoping e Xi Jinping, numa tentativa para compreender de que forma os fatores influenciam a emergência dos Estudos Asiáticos, em particular os Estudos Chineses em Portugal ao longo dos anos –  períodos da República, do Estado Novo e do Pós-25 de Abril de 1974 – mas focando principalmente o papel das organizações da sociedade civil.

Liliana Sousa contactou com mais de 20 Associações, Ligas, Fundações, Museus, concluíndo que o número de académicos e investigadores sobre a China em Portugal é hoje ainda reduzido e estão dispersos por várias universidades do país; os alunos que seguem formação superior nesta área também são poucos, devido à perceção generalizada de que é difícil inserir-se no mercado de trabalho, mas regista-se um interesse crescente, sobretudo na aprendizagem da língua chinesa, factor diferenciador para alguns postos de trabalho, nomeadamente nos sectores da diplomacia, turismo, negócios e tradução.

E finalmente que os esforços da sociedade civil não são suficientes para desenvolver os Estudos Chineses em Portugal, porém têm sido um contributo fundamental no fomento do diálogo intercultural, empresarial e académico entre os dois países, tanto mais que os cursos universitários em Estudos Asiáticos e cursos livres de Língua Chinesa surgiram em Portugal apenas na década de 60, só sendo observável algum desenvolvimento nos anos 90.

Partilhar artigo

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Outros Artigos