Coronavírus: Regresso ao trabalho poderá elevar número de infectados? 

Segundo as autoridades, esta semana será decisiva e tudo poderá mudar, já que milhares de pessoas regressaram hoje aos seus empregos. 

Esta segunda-feira marca o regresso ao trabalho de milhares de cidadãos chineses, após a interrupção prolongada para as celebrações do Ano Novo Chinês. O risco de agravamento da epidemia é elevado e as autoridades acompanham de perto os desenvolvimentos desta situação. Especialistas defendem que as duas próximas semanas serão decisivas para o contágio do coronavírus. 

As autoridades da China anunciaram esta segunda-feira que aumentaram os pontos de verificação da febre nas cidades mais afectadas e que todas as medidas de prevenção estão a ser aplicadas. Ainda assim, recomendam  que os cidadãos  não permaneçam nas ruas e que após o trabalho regressem novamente às suas casas.

A maioria das faculdades e universidades, encerradas para as celebrações do Ano Novo Chinês, optaram por não abrir portas, adiando o regresso às aulas por mais uns dias, até que a situação comece a estabilizar-se. 

Ontem, o “Le Monde”, publicou um artigo  dando conta de que “esta semana tudo pode mudar”. O jornalista Frédéric Lemaître, autor do artigo, diz que por um lado a China corre o risco de agravar a epidemia, já que muitos milhões de chineses regressam hoje ao trabalho, e por outro acrescenta que há também o risco político, já que as críticas às autoridades e às suas acções estão a aumentar em todo o mundo. 

Lemaître acrescenta ainda que vários cientistas afirmam que as próximas duas semanas serão cruciais para perceber como evolui o surto de coronavírus. “Baseado em modelos matemáticos, as previsões dos cientistas apontam para que o pico da doença aconteça entre meados e finais do mês [Fevereiro]”, estimando que um em cada vinte pessoas na cidade de Wuhuan poderão ser infectadas. 

Até ao final da manhã desta segunda-feira, as autoridades chinesas elevaram o número de óbitos para 910 e de infectados para mais de 40 mil (40.171), havendo ainda 23.589 suspeitas, segundo os dados da Comissão Nacional de Saúde da China. 

A cidade de Wuhuan, cidade chinesa onde o vírus 2019-nCoV surgiu, continua de quarentena desde 23 de Janeiro e não há data ainda estabelecida para o seu fim.

Com cerca de 11 milhões de habitantes, a cidade continua deserta e todos os estabelecimentos, à excepção dos de emergência, continuam encerrados. 

Os habitantes da cidade entraram hoje na terceira semana de encerramento de todos os estabelecimentos e todo o tipo de transportes. Depois dos transportes, na semana passada as autoridades proibiram a circulação de viaturas privadas pela baixa da cidade.

É a maior quarentena da história e Wuhuan é agora uma cidade fantasma com as autoridades a não deixarem ninguém entrar ou sair. 

Até ao momento, não se sabe quando é que a ordem de quarentena será suspensa. 

Notícia relacionada.

No sábado, as autoridades oficiais de Hubei, Província da Cidade de Wuhuan, anunciaram que iriam suspender a partir de hoje, segunda-feira, os registos de casamento e que as cerimónias fúnebres terão que ser encurtadas.

O Ministério da Administração Interna solicitou que os funerais sejam realizados de uma maneira simples e rápida para evitar a concentração de pessoas e que os corpos das vítimas mortais devem ser, obrigatoriamente, cremados. 

No comunicado emitido, as autoridades adiantam ainda que todos os cidadãos envolvidos nos funerais terão que usar protecção (máscaras, fatos e óculos) e aconselham a que meçam a temperatura frequentemente.

Este domingo foi o dia mais trágico desde que o vírus foi detectado.

Foram registadas 97 mortes – 91 ocorreram na Província de Hubei, o epicentro da epidemia – e mais de três mil novos casos de infecção em todo o território da China. Além do território continental chinês e das regiões chinesas de Macau e Hong Kong, há mais 350 casos de contágio confirmados em 25 países. 

Em Singapura, há registo de mais sete pessoas infectadas e no Brasil 11. Na Europa, foram anunciados até ao momento 39 casos de contágio, após ontem  terem sido detectados mais dois novos casos, em Espanha e  no Reino Unido. Em Portugal, não há para já casos de infecção a assinalar. 

Esta manhã, foram diagnosticadas quatro pessoas no Reino Unido, elevando assim para oito o número de infectados no país. 

No Japão, o navio cruzeiro que está de quarentena desde a semana passada nos mares do sudoeste de Tóquio, com 3700 passageiros e tripulantes, anunciou este domingo que existem 136 casos de pessoas infectadas a bordo.

O navio Diamond Princess encontra-se ancorado há exactamente uma semana (segunda-feira, 3 de Fevereiro) no largo da costa da Cidade de Yokohama.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou a 30 de Janeiro que se trata de uma situação de emergência de saúde pública internacional e afirmou que o número de casos de infectados começa aos poucos a estabilizar, sendo ainda assim cedo para assumir que a epidemia começa a ser travada. 

Num tweet publicado ontem, o Director-Geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, escreveu que o contágio fora da China é mais lento e adiantou que a OMS “vai reunir esta semana na sua sede, em Genebra (Suiça), com cerca de 400 especialistas mundiais que possam ajudar na luta contra a doença”. Ghebreyesus escreveu ainda que todos os países devem preparar-se para a possível chegada do vírus dentro das suas fronteiras. “Numa emergência de saúde pública, todos os países devem intensificar os esforços e preparar a possível chegada do 2019-nCoV e tentar contê-lo, caso chegue”. 

Esta segunda-feira, um grupo de peritos da OMS viajou para Pequim para ajudar a investigar os contornos deste vírus e procurar novas soluções para a disseminação do mesmo.

Até ao momento, o novo Coronavírus já matou 910 pessoas, ultrapassando a Síndrome Respiratória Aguda Grave, que entre 2002 e 2003 matou 774 pessoas em todo o mundo, a maioria na China. Das 910 vítimas mortais, apenas duas sucederam fora da China Continental, nas Filipinas e Hong Kong. 

Em Portugal, o Presidente da Liga de Chineses em Portugal, Y Ping Chow afirma que não há motivo para alarmismos e que a comunidade portuguesa não tem que ter receio de frequentar estabelecimentos comerciais chineses ou estar nos mesmos espaços que cidadãos chineses.  

Notícia relacionada.

Partilhar artigo

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Relacionados

Agenda

No event found!
Outros Artigos