Especialistas e académicos portugueses alcançaram resultados importantes no webinar sobre a questão da China

As relações bilaterais entre Portugal e a China durante mais de cinco séculos permitiram que oficiais e civis mantivessem a expectativa de intercâmbios e cooperação contínuos e amigáveis. Nas relações bilaterais entre a China e Portugal, Macau é um tema extremamente especial.
Especialistas e acadêmicos portugueses alcançaram resultados importantes no webinar sobre a questão da China

Especialistas e acadêmicos portugueses alcançaram resultados importantes no webinar sobre a questão da China, que decorreu no dia 22 de Abril.

As relações bilaterais entre Portugal e a China durante mais de cinco séculos permitiram que oficiais e civis mantivessem a expectativa de intercâmbios e cooperação contínuos e amigáveis. Nas relações bilaterais entre a China e Portugal, Macau é um tema extremamente especial.

Perante isto, no dia dia 22 de abril, pelas 17 horas (hora de Lisboa), o Instituto Oriental da Universidade de Lisboa, em Portugal, acolheu um webinar intitulado “China, Macau: Um País, Dois Sistemas”. 

No encontro, seis especialistas portugueses em questões de China realizaram intercâmbios e discussões aprofundadas, apresentaram muitas visões construtivas, discutiram a questão de “Um País, Dois Sistemas” em Macau, na China, e a atitude do lado português nas relações luso-chinesas. 

Os especialistas e acadêmicos chegaram a um consenso sobre as seguintes questões: a China, Macau e um país, dois sistemas, é uma questão juridicamente inquestionável, e a questão da soberania não é negociável. “Um País, Dois Sistemas” deu a Macau uma ampla margem de autonomia e desenvolvimento, e Macau criou prosperidade e estabilidade com base no “Um País, Dois Sistemas”.

Nuno Canas Mendez, diretor do Instituto Oriental da Universidade de Portugal, propôs aos especialistas e acadêmicos que, atualmente, a situação internacional é intensificada, devido à necessidade de desenvolvimento económico, Portugal espera manter boas relações com a China, Macau desempenha um papel importante na matéria, é uma ligação importante entre Portugal e as relações com a China, este encontro é uma boa oportunidade para refletir com especialistas sobre esta questão. 

Reconheceu plenamente a confiança do regime chinês e disse que a situação no processo da Lei Básica e autonomia de Macau era esperada, e que a construção da “Cinturão e Estrada” e da ”Área da Grande Baía” estava cheia de expectativas.

No webinar, o ex-embaixador na China, José Duarte de Jesus, salientou que “Um País, Dois Sistemas” é a essência da cultura política e história da China. Lembrou que, embora alguns países ocidentais pensassem que “Um País, Dois Sistemas” era uma política defasada na história da China, as relações de Macau com Portugal e a China, que duravam mais de cinco séculos, eram um exemplo positivo. 

A vontade do Presidente Xi Jinping em manter “Um País, Dois Sistemas” maximiza os interesses de Macau e lança as bases para as relações bilaterais entre a China e Portugal.

Hector Romana, presidente do Comité Científico da Escola Superior de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, analisa as funções estratégicas de Macau fora das indústrias do turismo e do jogo. 

Disse que Macau tem três papéis especiais na estratégia política da China: Em primeiro lugar, a Declaração Conjunta é um instrumento importante, que desempenha um papel importante na abertura da China, na credibilidade internacional e no processo de reunificação pacífica, e mostra também que a China desempenha um “papel que não pode ser ignorado” no novo complexo sistema internacional, e Macau tem beneficiado dele. 

Em segundo lugar, o estabelecimento do Fórum Sino-Português e as suas estreitas relações com os países lusófonos (África, Europa, América Latina) reforçaram a função de Macau na política estratégica da China. 

Em terceiro lugar, a iniciativa “Cinturão e Estrada” do Presidente Xi, anunciada no Cazaquistão, demonstrou mais uma vez o poder continental e marítimo chinês, bem como o “papel importante” da China no sistema internacional, permitindo à China, enquanto país “nacionalista tecnológico”, adaptar-se à quarta revolução tecnológica e digital. Macau tem participado neste processo e tem estado envolvido na construção da “Cinturão e Estrada” mais dinâmicas da região Ásia-Pacífico e da Área da Grande Baía. 

O Sr. Hector exortou o Governo português a fortalecer os laços com Macau e a China no domínio da investigação científica através de uma verdadeira diplomacia científica. Não é prático preocuparmo-nos com a “dependência económica” de Portugal na China, porque a realidade é muito mais complexa do que um modelo de simplicidade.

José Luís Sales Marques, diretor do Instituto Europeu de Macau, que se descreve como um “macaense”, também destacou o ponto importante no encontro: Vivemos um período difícil de tensão internacional, e a China, enquanto potência normativa, está do lado do atual sistema político. A China classifica a soberania e a reunificação a principal prioridade na política nacional, como disse uma vez Deng Xiaoping a Thatcher, “a soberania não é negociável”. 

A Lei Básica de Macau e a Lei Básica de Hong Kong são leis nacionais que prosseguem o interesse nacional. O período de transição de autogoverno entre as duas regiões não é apenas um processo formal, mas também um mecanismo coerente desde o primeiro dia de “retorno”, que se tornou mais forte ao longo do tempo e a China enfrenta um processo de integração regional.

Louis afirmou o respeito consistente da China pela Lei Básica. Disse que Macau é um exemplo do sucesso de “Um País, Dois Sistemas”, e que as políticas ainda em vigor beneficiaram Macau, que criou prosperidade através da criação de um centro financeiro. Voltando ao impacto da questão de Hong Kong em Macau e ao seu impacto oportuno, salientou que Hong Kong sempre influenciou Macau, mas nem sempre positivamente. 

Pelo contrário, a situação em Macau é estável e a aplicação integral de “Um País, Dois Sistemas” não afeta o processo de reunificação da China. O Governo de Macau apoia e protege o povo de Macau e a comunidade portuguesa, respeitando a diversidade para a estabilidade da sociedade e o desenvolvimento de Macau.

A webinar contou ainda com as intervenções de Carlos Monjardino, presidente da Fundação Oriente, Raquel Vaz Pinto, professora da Universidade Nova de Lisboa.

O simpósio chegou ao fim em investigação e discussão sérias e agradáveis. Nuno Kanas Mendez agradeceu aos oradores o seu contributo para uma melhor reflexão sobre uma questão internacional tão importante.

Partilhar artigo

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Relacionados

Agenda

No event found!
Outros Artigos