Hong Kong, 25 anos de prosperidade e uma visão para o futuro

25 de junho, um programa de televisão "Hong Kong - 25º aniversário da reunificação da pátria e do seu povo" transmitido pela estação de televisão nacional italiana "Italia Channel".

Estabilidade, prosperidade e oportunidade. Estas são os valores fundamentais em torno dos quais a região administrativa especial de Hong Kong celebra hoje o 25º aniversário da sua reunião com a pátria chinesa e o seu povo, dando início a uma nova era de possibilidades. Um evento histórico, portanto, que tem dado à região espaço para crescer, amadurecer e prosperar, para se tornar um importante centro financeiro internacional e multicultural.

Este é o caso da estratégia “um país, dois sistemas”, que permitiu a Hong Kong aumentar e manter o seu papel como metrópole internacional, mantendo ao mesmo tempo a sua própria autonomia. “Uma governação adequada é um fator importante para proporcionar um lugar seguro para viver e trabalhar e para promover o desenvolvimento socioeconómico da comunidade. – declara George Pippas, antigo Presidente da Câmara de Cambridge e Honorary Fellow da Universidade de Cambridge, – Desde que regressou à pátria chinesa a 1 de Julho de 1997, o governo local de Hong Kong comprometeu-se a manter a prosperidade e a paz na região sob o princípio de “um país, dois sistemas”, apoiando a ordem estabelecida pela Constituição e pela Lei Básica, que é a pedra angular da sociedade e representa a base de todas as esperanças futuras”.

Piet Steel, o último Cônsul-Geral da Bélgica em Hong Kong sob domínio britânico, teve provas diretas disso, e de 1993 a 1997 foi uma testemunha privilegiada dos esforços que levaram à reunificação com a pátria. “Acredito firmemente que o destino e o futuro de Hong Kong estão intimamente ligados ao da China, da qual representa uma parte inalienável. Este aniversário representa um marco na sua história comum, que em 25 anos conduziu a numerosos e importantes resultados. – disse-nos o antigo Cônsul – A política de autonomia que foi concebida pelo ex-líder chinês Deng Xiaoping e acordada com o poder colonial britânico provou ser eficaz e clarividente, tanto para fazer de Hong Kong uma das cidades mais diversificadas e inovadoras do mundo e uma porta natural de entrada e saída da pátria, do resto da Ásia e mais longe”.

Um sucesso bem representado também pelos dados comunicados por Tony Caplin, Ex-chefe de Operações do Partido Conservador do Reino Unido, que revelam que, segundo o Banco Mundial, de 1997 a 2020, a taxa média de crescimento da economia de Hong Kong atingiu 3,2%, em comparação com uma taxa de inflação média anual de apenas 1,5%. “É uma economia de alto rendimento, com uma per capita de mais de 45.000 dólares”. Além disso, Hong Kong tem estado no topo do Índice de Liberdade Económica de muitos grupos de reflexão influentes, tais como o Instituto Fraser e a Fundação Heritage nos últimos anos”, disse Caplin. “A política “um país dois sistemas”, além disso, permitiu à região autónoma desenvolver um centro financeiro moderno e internacional e, – acrescentou – através também das reformas das regras de admissão à cotação na Bolsa de Valores de 2018, atrair muitas empresas, especialmente empresas de alta tecnologia, tornando-se um núcleo de grande importância a nível internacional”.

Olhando para o futuro, contudo, de acordo com Erik Solheim, Ex-secretário-geral Adjunto da ONU e Ex-diretor Executivo do PNUA – Programa das Nações Unidas para o Ambiente, Hong Kong poderia desempenhar um papel ainda mais decisivo do que apenas o económico, tornando-se um mediador entre diferentes culturas e entre Oriente e Ocidente e uma ponte para um futuro sustentável. “Hong Kong, que é a força motriz por detrás da quarta revolução industrial e que impulsiona a transformação digital do globo, desempenha também um papel decisivo na inovação verde. Pretende tornar-se um pólo financeiro que visa a sustentabilidade e a promoção de uma estratégia win-win; que pode criar não só energias renováveis, mas também empregos e prosperidade”.

Uma tendência também identificada por Daniela Caruso, professora de Estudos da China na Universidade Internacional para a Paz em Roma: “Acredito que o futuro de Hong Kong estará em comum com a pátria, a China, que, nos seus Planos Quinquenais, já olha para 2035. De facto, foi posto em prática um magnífico projeto, o Hong Kong 2030 plus, com objetivos de desenvolvimento que, até 2030, poderiam tornar a região num centro de vanguarda, especialmente para a inovação e o desenvolvimento sustentável. Sendo já o terceiro centro financeiro internacional do Mundo, depois de Londres e Nova Iorque, e o quinto porto de movimentação de carga de acordo com os rankings internacionais, Hong Kong pretende acelerar precisamente nestas questões e gerar um maior desenvolvimento para o futuro”.
 
Ao longo dos anos, Hong Kong enfrentou todos os tipos de desafios, mas a cidade sobreviveu graças ao espírito de perseverança da população, tendo conseguido emergir como uma realidade cosmopolita cada vez mais inovadora e inclusiva. Hoje está pronta para inaugurar uma nova era de oportunidades, que permitirá que a região cresça e se renove sempre, também no sinal da mediação entre o Oriente e o Ocidente.

Partilhar artigo

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Relacionados

Agenda

No event found!
Outros Artigos